Nesta quarta-feira, 4, a Corte Especial do STJ definiu que quando o Ministério Público atua como fiscal da ordem jurídica (custos legis), em litígio não ajuizado via ação civil pública, o ônus de arcar com o adiantamento de despesas processuais é do autor da ação.